Menina de 4 anos se recupera da Covid após 10 dias intubada

Nicolly Campos Zanesco ficou internada em hospital na cidade de São José do Rio Preto, em São Paulo

No início da pandemia do novo coronavírus, as informações que vinham de outros países davam conta de que a doença atacava principalmente idosos e pessoas com comorbidades. No entanto, os especialistas sempre deixaram claro que a Covid-19 poderia contaminar qualquer pessoa.

Maior prova disso é a pequena Nicolly Campos Zanesco, de apenas 4 anos, que ficou 12 dias internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital da Criança e Maternidade (HCM), em São José do Rio Preto (SP), a 440 km de São Paulo. Sem problemas de saúde anteriores, segundo a mãe, Letícia Lopes Campos, de 23 anos, Nicolly começou a apresentar febre e a reclamar de dores nos olhos, na barriga e na cabeça no começo de julho. Foi quando a mãe a levou à Santa Casa de Tanabi, a 478 km da capital paulista. Após ser atendida, Letícia diz que o médico começou a tratá-la como suspeita de dengue e dor de garganta. Após tomar soro, elas voltaram para casa. No entanto, com o passar dos dias os sintomas da menina só aumentaram e elas voltaram para a Santa Casa, onde ficou internada por uma noite. Como sua situação não melhorava, ela foi transferida para o HCM, na cidade vizinha.
“A gente não sabia o que fazer, porque foi muito rápido. Ela foi internada com suspeita de dengue e garganta inflamada e ninguém falava de Covid. Logo que foi transferida para o HCM, foi intubada às pressas na UTI. Foi desesperador”, lembra a mãe, que também foi contaminada com o coronavírus, mas ficou assintomática.
Os dias que se seguiram foram de muita angústia para Letícia e o marido, Anderson, que só tinham notícia da filha por telefonemas do hospital. Nicolly ficou 12 dias na UTI, sendo 10 intubada, período em que sofreu uma parada cardiorrespiratória e foi reanimada pela equipe médica. Quando se recuperou, ainda passou mais 4 dias na unidade semi-intensiva antes de ter alta.
“No finalzinho as enfermeiras começaram a fazer chamadas de vídeo com ela. Mesmo assim, era uma angústia”, disse a mãe da garota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *