Homem é preso por porte ilegal de arma após andar armado em ambulância do Samu

Um homem foi preso na sexta-feira (22) por porte ilegal de arma de fogo, em São José dos Campos, após ter andado armado em uma ambulância do Samu. O revólver calibre 38, com numeração raspada, e duas munições foram apreendidas pela polícia. Ele permanece à disposição da justiça.

A ocorrência teve início na madrugada da sexta-feira. O Samu foi acionado para atender uma pessoa ferida após briga em uma balada de São José dos Campos. No momento do resgate, algumas pessoas teriam tentado invadir a ambulância para seguir agredindo a pessoa ferida. Nesse momento, o homem que estava como acompanhante teria exibido uma arma calibre 38 para afastar os supostos agressores.

O veículo do Samu deixou o local com o ferido e o acompanhante armado. Pessoas que viram a cena acionaram a Polícia Militar para avisar que havia um homem armado na ambulância do resgate. Durante o trajeto à UPA Alto da Ponte, o homem armado teria dito aos socorristas para não levarem o amigo à unidade de pronto atendimento, mas, sim, para um endereço no Jardim Jussara, próximo ao estádio Martins Pereira.

A equipe do Samu atendeu ao pedido e registrou o caso como recusa de remoção. Ao mesmo tempo, a polícia colheu informações e foi até o endereço onde estaria o homem com a arma de fogo.

De acordo com a Polícia Militar, o homem estava com a arma no bolso direito da calça e tinha duas munições intactas. O revólver calibre 38 Taurus tinha a numeração suprimida. À polícia, ele teria dito que estava armado porque recentemente teria sido vítima de um roubo de moto e, por isso, havia comprado a arma para se proteger.

O homem foi encaminhado ao 3º DP e foi registrado a ocorrência por porte de arma de fogo. Ele permanece à disposição da justiça. O homem que estava ferido na ambulância foi encaminhado ao pronto socorro.

Procurada pela reportagem, a Prefeitura de São José dos Campos, que administra o serviço do Samu, informou que “que não houve sequestro de integrantes de uma equipe durante atendimento a uma vítima por volta das 3h da sexta-feira (22). No trajeto rumo à UPA Alto da Ponte, o acompanhante pediu para desviar o caminho, para deixar ele e o paciente próximo ao Martins Pereira. Devido à situação e com o intuito de evitar algum conflito, a equipe seguiu para o local solicitado e registrou o caso como recusa de remoção”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *