RMVale sofre com fechamento de postos de trabalho em abril; Comércio perde 50 milhões de reais por dia, diz Sincovat

O comércio poderá retomar as atividades devido ao novo plano de retomada do Governo do Estado a partir de 1º de junho
O estado de São Paulo registrou saldo negativo na geração de emprego nos primeiros quatro meses de 2020, principalmente durante a pandemia do novo coronavírus. Os dados são do CAGED (Cadastro Geral de Empregos e Desempregos) divulgados nesta quarta-feira (27) pelo Ministério da Economia.
As três maiores cidades da RMVale foram afetadas pela quarentena. São José dos Campos fechou 5.982 postos de trabalho durante o mês de abril e admitiu 1.992 pessoas.
Taubaté fechou o mês de abril com 2.589 pessoas desligadas de seus empregos. A cidade registrou 628 novas vagas de trabalho preenchidas. Jacareí fechou 1.624 postos de trabalho e admitiu 580.
O Sincovat (Sindicato do Comércio Varejista de Taubaté e Região) informou que as quatro cidades do Litoral Norte já demitiram cerca de 1.030 trabalhadores. Outros 1.734 contratos foram suspensos e 594 tiveram redução de jornada e salário. De acordo com a entidade, o litoral norte todo, tem em média, um prejuízo de R$ 4,074 milhões por dia.
De acordo com os dados do Caged da terça-feira (26), Ubatuba sofreu o maior fechamento dos postos de trabalho em abril. A cidade registrou 875 demissões e gerou apenas 143 novos postos. Seguido por Caraguatatuba com 766 postos fechados e São Sebastião redução de 508 postos.
O presidente da ACIT (Associação do Comércio e Indústria de Taubaté), José Antônio Saud, explicou que setores como supermercados, farmácias e fábricas de álcool em gel foram os responsáveis pela geração de emprego durante a quarentena.

SITUAÇÃO COMERCIAL
A ACIT realizou um levantamento sobre a situação econômica de empresas durante a pandemia. A pesquisa mostrou que muitas precisaram fechar as portas ou suspender temporariamente o atendimento. A associação revelou que a situação do comércio está alarmante.
Com o cenário atual, o faturamento atual das empresas está baixo, a pesquisa mostrou que 24,6% das empresas poderiam encerrar suas atividades em até 30 dias se a quarentena se estendesse. E que somente 12% das empresas pesquisadas afirmaram conseguir manter seus negócios por prazo indeterminado nesse cenário de quarentena.
Numa comparação de vendas entre abril de 2019 e abril de 2020, a pesquisa apontou uma queda de 75%. “Isso gera desconforto, gera demissão e necessidade de fechamento de muitas lojas”, alerta Saud.
De acordo com o presidente do Sincovat (Sindicato do Comércio Varejista de Taubaté e Região), Dan Guinsburg, o comércio da RMVale perde diariamente R$50 milhões por dia. O presidente disse que a área de vestuário foi a mais afetada. “A gente brigou bastante, porque essa área acabou sendo injustiçada em relação aos hipermercados”, explica.
A partir da próxima segunda-feira (01), o comércio poderá retomar as atividades devido ao novo plano de retomada do Governo do Estado. Para Saud, o comércio não vai se recuperar tão facilmente. “Nós temos muito o que trabalhar, temos um cuidado a tomar com a saúde”, diz. “Estamos aqui prontos para trabalhar junto com a prefeitura e ver a melhor forma de não passar dos limites necessários para esse momento”, complementa.

(Fonte: Meon)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *