Jovem de 23 anos morre engasgada dentro de faculdade em São José

Família e amigos reclamam de negligência da instituiçãoA estudante Bárbara Eugênia Santos de Paula, de 23 anos, morreu na noite da última terça-feira (8), após se engasgar próximo a cantina da faculdade INPG, em São José dos Campos. Ela era aluna do 1º semestre do curso de Recursos Humanos e, segundo família e amigos, a instituição não teria prestado nenhum tipo de socorro à vítima.

A tia da vítima, Toninha Santos, contou a reportagem que a sobrinha engasgou e desmaiou durante um lanche na faculdade. Amigos e colegas que estavam próximos teriam ligado para o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) ao perceberem que a jovem não respirava. Ela afirma que a instituição não possuía um enfermeiro para os primeiros socorros.
“Ela desmaiou na hora do intervalo, os colegas começaram a gritar por socorro. Os diretores e coordenadores da faculdade não ligaram para o Samu, foram os alunos que acionaram o resgate. Se tivesse algum enfermeiro ou socorrista na faculdade acredito que teria feito algo, minha sobrinha teria tido uma oportunidade de viver.”
Uma aluna de administração, que prefere não se identificar, ajudou no resgate e foi uma das pessoas que acionou o Samu assim que viu a colega caída no chão. A jovem tinha aula com Bárbara às quartas-feiras e contou que, ao chegar à cantina, falou com a vítima minutos antes do desmaio.
“Falei com a Bárbara, pois fui no terceiro andar tomar um lanche, ela estava com a cabeça baixa, mas não percebi que ela estava passando mal, não demorou muito para ela cair no chão. Um amigo que estava perto começou a gritar por ajuda. Eu liguei primeiro para polícia e logo em seguida para o Samu. Algumas pessoas mediram o batimento cardíaco dela e ainda estava viva. Uma professora ficou o tempo todo ao nosso lado chamando alguém da diretoria para ajudar e a direção disse que não tinha enfermeiro na faculdade.”
A aluna conta que o resgate demorou cerca de 40 minutos para chegar. Ela registrou as ligações e após 20 minutos de espera retornou para a corporação questionando onde o resgate estava. A primeira ligação foi às 20h30, o resgate chegou ao local por volta das 21h05.
“Reanimação ninguém tentou fazer porque ninguém sabia os procedimentos, então esperamos o Samu, que demorou quase 40 minutos. Poderia ser outro aluno, vidas seriam perdidas por irresponsabilidade da instituição. Eles estavam despreparados pra isso, devem repensar sobre nossa segurança.”
A jovem foi encaminhada para o pronto socorro da Vila Industrial para reanimação, porém não resistiu. Toninha informou que o laudo médico apontou embolia pulmonar. Bárbara foi velada no início da tarde da quarta-feira (9), no Cemitério Maria Peregrina, zona norte da cidade.

OUTRO LADO
Em nota publicada nas redes sociais na quarta-feira (9), a faculdade INPG informou que “imediatamente o Samu foi acionado e a coordenaçao acadêmica e administrativa foi avisada, dirigindo-se imediatamente ao local” e que “A coordenação acadêmica e administrativa permaneceu ao lado da aluna durante todo o tempo até a chegada do resgate”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *